quinta-feira, 14 de maio de 2009

Ufa!


Eu queria saber o que me entristece e me amarga a boca, o que me cala e me faz refletir. Eu preciso me expressar e transpassar o que está preso aqui dentro, há sentimentos enjaulados querendo escapar. Eu daria minha vida por uma folha em branco e uma caixa de giz de cera, e deve ser por isso que eu tanto invejo as crianças que não tem preocupação nenhuma com o mundo, tudo é novo e excitante. Eu nem sei muito bem o que eu quero da minha vida e recuso todas as propostas imaturas de “prisão” domiciliar, estadual e nacional. Eu quero ver a vida de vários ângulos e enquadramentos, eu quero mandar em mim. Eu quero acordar e não pensar no ontem, muito menos no hoje ou no amanhã. Não quero planos, não quero erros, muito menos enganos. Quero que tudo seja involuntário e realmente da forma como eu desejar que seja. 

3 comentários:

Bia Kohle disse...

Oi.
Adorei sua visita no meu blog.
Quanto ao seu, gostei muito também.
Essa coisa de ter a "obrigação" de fazer as coisas não deveria existir.
Por exemplo, numa escola nem todo mundo que está lá quer aprender, mas vai se preocupando com o dizer da sociedade.
Eu mesmo sinto esse receio.
Seria bem mais bonito se casa um procurasse a respotas de suas próprias perguntas quando quiserem.

Beijo.

ociocultural disse...

Aê, retardado... É você mesmo que tá fazendo um papel numa propaganda que tá passando aí na Tv?
Aquele cara retardado que fica comemorando dentro do carro?
0_o

ASihduHASdasd...
Abraço!

gritos tormentos e pesadelos disse...

O fato que querer e não poder e as vezes invejar as crianças, também passa pela minha cabeça e me deixa triste em alguns momentos, mas isso na verdade é uma forma de poder buscar nossa evolução e superar os desafios....e como sempre meu amigo, seu texto é sempre bem escrito e interessante....parabéns sempre